Fechar
Abrir

Concentração moto turística colocou Góis na rota nacional e internacional

A vila de Góis, no interior do distrito de Coimbra, acolhe anualmente em agosto a segunda maior concentração nacional de motociclistas, que mais do que quadruplica a população do município, que não atinge as cinco mil pessoas.

Em quatro dias, o evento supera as 20 mil pessoas, entre as quais 13 mil ‘motards’ de todos os pontos do país e do estrangeiro, que transformam por completo a rotina da pequena vila serrana atravessada ao meio pelo rio Ceira, afluente do Mondego.

“Não temos números para avançar, mas temos a noção de que a concentração tem um impacto económico muito grande em Góis e nos concelhos à volta, como Arganil, por exemplo”, sublinha Rui Paulo, presidente do Góis Moto Clube, entidade organizadora.

A concentração decorre na margem esquerda do rio Ceira, na Quinta do Baião, propriedade do município, que a cedeu ao Moto Clube, através de um contrato de comodato, que acolhe os 13 mil participantes e “já não alberga mais”.

Para se ter uma ideia de grandeza do evento, dentro do recinto chegam a ser bebidos entre 30 a 40 mil litros de cerveja.

Há três anos, recorda Rui Paulo, chegaram a ser levantados nas caixas de multibanco do concelho 300 mil euros e, noutras edições, “chegou a esgotar o dinheiro” naqueles equipamentos.

O evento vai fazer em agosto 23 anos de existência. Como tudo na vida, nasceu pequeno, com 167 inscritos, mas rapidamente cresceu com passos de gigante e, aos três anos de vida, já registava um milhar de participantes.

Atualmente, é a segunda maior concentração internacional de ‘motards’ de Portugal, só superada pela congénere de Faro, no Algarve.

Com um orçamento de 400 mil euros, o evento aposta sempre em bandas de topo portuguesas para animar as noites e mobiliza diariamente 180 trabalhadores.

A fraca capacidade hoteleira do concelho de Góis esgota com facilidade e muitos dos participantes recorrem aos municípios vizinhos para pernoitarem.

“Alguns motociclistas criaram relações de amizade connosco e com a vila e adquiriram aqui casas de férias”, sublinha o presidente do Góis Moto Clube, salientando que um dos objetivos da concentração é a promoção do concelho.

Para a presidente da Câmara, Lurdes Castanheira, a concentração é “claramente o evento de maior importância comercial, económica, de lazer e turística, em que Góis se transforma numa realidade diferente”.

Segundo a autarca, nestes anos a Câmara tem construído infraestruturas para que o espaço melhore e tenha mais qualidade.

“Temos investido muito nas praias fluviais para acolher de forma diferente quem nos visita”, frisa Lurdes Castanheira, que destaca o facto de Peneda, Pêgo Escuro e Canaveias terem sido novamente distinguidas este ano com a Bandeira Azul, atribuída pela Associação Bandeira Azul da Europa.

A presidente da autarquia salienta ainda que, durante o evento, o município é obrigado a reforçar os serviços de recolha de lixo, instalações sanitárias e abastecimento de água, além de disponibilizar um conjunto de trabalhadores ao Góis Moto Clube para apoiar na preparação da concentração.

Voltar atrás