Fechar
Abrir

Desemprego residual em Vila Velha de Ródão graças à indústria do papel

A estratégia criada em torno da indústria do papel levou a uma taxa de desemprego praticamente nula em Vila Velha de Ródão, município do distrito de Castelo Branco.

“Vila Velha de Ródão, neste momento, só não tem uma taxa de desemprego de zero porque temos pessoas que saem das fábricas em situações de pré-reforma e estão nessa situação até atingirem a reforma, ficando, por isso, inscritas no centro de emprego”, explica à agência Lusa o presidente da Câmara, Luís Pereira.

O momento chave aconteceu em 2005, quando a única fábrica ligada ao setor da pasta de papel, a Portucel, chegou ao fim do seu ciclo de vida útil.

“Hoje, podíamos estar a falar de Vila Velha de Ródão como um concelho sem indústria, com taxas elevadíssimas de desemprego e sem solução para os seus jovens. Porque a empresa que cá tínhamos [Portucel] estava a chegar ao fim do ciclo de vida útil. Se não há, da parte da câmara, a estratégia de apoio e de forte captação de investimento, a aquisição da empresa por privados e o conjunto de investimentos que foram feitos, a fábrica não era viável em Vila Velha de Ródão”, sustenta.

O autarca realça que, se então o município não tivesse uma estratégia de desenvolvimento bem delineada, hoje a situação podia ser dramática no concelho.

“Não estamos só a falar da não criação de postos de trabalho, mas também da perda de mais de 200 postos de trabalho. Foi a estratégia da Câmara que permitiu consolidar esta e atrair mais empresas ligadas ao setor do papel”, sublinha.

Em 2008, uma nova unidade fabril ligada ao setor do papel, a AMS, instalou-se no concelho. Na altura, foram 35 milhões de euros de investimento e a criação de mais 135 postos de trabalho.

“A autarquia teve a capacidade de dar a resposta imediata aos promotores, estabeleceu com eles uma relação de confiança e isso foi marcante para tornar possível esse investimento no concelho”, frisa Luís Pereira.

Vila Velha de Ródão prepara-se agora para receber outro investimento ligado ao setor do papel.

“Uma nova empresa vai criar este ano 50 postos de trabalho e, para o próximo ano, mais uma centena. O investimento, nesta fase inicial, ultrapassa os 35 milhões de euros. Este ano, estamos a falar de um investimento ‘per capita’ em Vila Velha de Ródão de 9.200 euros. Não deve haver no país nenhum concelho com este investimento privado ‘per capita’”, sustenta o autarca.

Ao longo da última década, Vila Velha de Ródão criou um autêntico “cluster” ligado à indústria do papel, o que lhe permitiu ter taxas de desemprego residuais.

Mais de 50% dos postos de trabalho que ali foram criados foram ocupados por pessoas oriundas dos concelhos vizinhos.

Voltar atrás