Fechar
Abrir

Dias medievais recolocaram Castro Marim nos itinerários de verão

Os últimos 18 anos viram Castro Marim, no distrito de Faro, alcançar grande parte da sua notoriedade com os Dias Medievais, recriação histórica que atrai milhares de forasteiros e recolocou a vila algarvia nos itinerários de verão.

José Estevens, antigo presidente da Câmara de Castro Marim, que lançou os Dias Medievais em finais da década de 1990, explica que o objetivo do evento foi o de “divulgar o património construído e o património cultural do concelho de Castro Marim”, mas, também, “gerar atividade económica”, objetivos que, considera, “foram alcançados”.

O ex-autarca diz que foi esse aproveitamento do património histórico e cultural, a par do envolvimento da comunidade e do rigor histórico na recriação, os ingredientes que transformaram os Dias Medievais de Castro Marim numa “marca do concelho”.

Estevens lembra que, em 1998, quando chegou à Câmara, Castro Marim “era uma terra abandonada, esquecida, e era urgente divulgar um concelho inserido no sotavento algarvio, mas que era também o mais atrasado, à exceção de Alcoutim”.

“Os Dias Medievais, na medida em que conseguimos transformá-los numa marca de Castro Marim, têm contribuído para aumentar a notoriedade do concelho, a sua atratividade, e são um evento que, pelo modo como foi sendo desenvolvido, como se veio afirmando, se transformou numa marca que tem um valor cada vez maior”, sublinha.

Além da repercussão na economia local, tanto nos dias do evento como ao longo do ano, o evento produziu, também, segundo José Estevens, “efeito na autoestima das gentes da terra”, que “têm hoje grande orgulho de terem conseguido pôr de pé um evento que traz milhares de pessoas, não só nacionais, mas também estrangeiros”.

“Esse reforço da autoestima é importante para uma comunidade e para que o desenvolvimento aconteça”, refere, acrescentando que “sem o envolvimento de todos, o evento não tinha passado da primeira ou segunda edição”.

Apesar de “não estar na preocupação inicial atrair muitas pessoas” e chegar aos cerca de 50 mil visitantes por edição, como nas últimas, os organizadores do evento tinham “a certeza de que, se fosse bem feito, com rigor, com empenhamento e qualidade”, iria ter sucesso.

“Quando as coisas são assim, quando pomos esses ingredientes na construção ou na criação de qualquer coisa, o sucesso há de acontecer, como aconteceu como os Dias Medievais”, considera.

Voltar atrás