Fechar
Abrir

“Selo” da UNESCO ao fabrico de chocalhos gera “esperança” em Viana do Alentejo

A classificação do fabrico de chocalhos como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO é recente, mas começa a dinamizar a economia e o turismo de Viana do Alentejo, concelho que acolhe a “capital” desta arte milenar, Alcáçovas.

“Para já, o efeito é extremamente positivo e revela-se diretamente no aumento das visitas de pessoas de fora, que vão a Alcáçovas ver os chocalhos e que, depois, fazem um périplo pelo concelho”, diz à agência Lusa Bernardino Bengalinha Pinto, presidente da Câmara de Viana do Alentejo, no distrito de Évora.

Também o presidente da Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, destaca que a classificação “é uma mais-valia económica para o concelho”, porque se trata de um reconhecimento “ao nível da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e na área da identidade, que é fundamental”, mas também porque “é um produto endógeno, feito por vários artesãos de Alcáçovas”.

Com o “selo” da UNESCO, o interesse pela arte chocalheira, que se manteve artesanal, já está a crescer, confirma Guilherme Maia, um dos sócios-gerentes dos Chocalhos Pardalinho, com fábrica em Alcáçovas e a maior empresa do setor, em atividade desde 1913.

“As pessoas começaram a apreciar o chocalho e a profissão de chocalheiro. Ganhou prestígio e outra dimensão”, afirma, acrescentando que a sua fábrica, antes, recebia “visitas esporádicas, mas, agora, todas as semanas, principalmente aos fins de semana, há grupos de dezenas de visitantes”, os quais “acabam por ir conhecer outros pontos do concelho”.

Esta nova atenção também começa a ter repercussão nas vendas da empresa, a qual, juntamente com mais uma “mão cheia” de mestres chocalheiros que resistem no país, sobretudo baseados no Alentejo, é uma das responsáveis pela “sobrevivência”, em pleno século XXI, desta arte com dois mil anos na região.

“Além do aumento exponencial das visitas turísticas, há muitas pessoas que nos procuram nas feiras porque querem ter um chocalho e aumentámos as vendas junto do nosso cliente tradicional, o agricultor ou criador de gado, que estava envelhecido, mas cujos filhos, que antes não reconheciam a verdadeira utilidade do chocalho, recomeçaram a comprá-lo”, frisou.

A classificação da arte chocalheira em Portugal como Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente aconteceu a 01 de dezembro de 2015, na décima reunião do Comité Intergovernamental da UNESCO, em Windhoek, na Namíbia.

A candidatura de Portugal sobre este ofício tradicional, em risco de extinção, foi liderada pela Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo, em colaboração com a Câmara de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas.

O fabrico de chocalhos, segundo o dossiê da candidatura, é uma atividade metalúrgica associada essencialmente à pastorícia e consiste “na produção de um idiofone em ferro forjado que é suspenso ao pescoço dos animais numa coleira”.

Apesar do seu âmbito nacional, a candidatura teve por base o trabalho técnico e científico à volta da arte chocalheira em Viana do Alentejo, mais especificamente em Alcáçovas, o local onde mais floresceu, a partir do século XVIII.

Exercido por famílias, o ofício, no século XX, ressentiu-se do corte na transmissão, por falta de descendentes masculinos ou por os mais novos seguirem outras profissões, tendo outras “machadadas” sido a industrialização do fabrico a nível internacional e a quebra na procura de chocalhos com as alterações no mundo da pastorícia, com o fim da transumância do gado ou a introdução de cercas.

A classificação da UNESCO foi celebrada com orgulho e satisfação pelos promotores da candidatura, mas a inscrição deste fabrico artesanal na lista dos bens com Necessidade de Salvaguarda Urgente requer um plano de salvaguarda que garanta a sustentabilidade e transmissão da arte, o qual já começa a dar os primeiros passos.

“É uma arte que se está a perder, que tem poucos artesãos, e, por isso, o que importa é dinamizar e preservar o fabrico de chocalhos”, frisa Ceia da Silva.

Nesse sentido, revela, a Turismo do Alentejo está a avançar com um processo para criar em Alcáçovas um centro de interpretação da UNESCO que reúna, não apenas este, mas todos os patrimónios culturais imateriais classificados da Europa.

O autarca Bengalinha Pinto frisa que o centro, a avançar, “será importante” para a salvaguarda da arte chocalheira e acrescenta que há “mais contactos e parcerias que estão no início”, nomeadamente um projeto para ensinar o fabrico de chocalhos no sistema prisional.

Voltar atrás