Fechar
Abrir

Vila Verde, onde a Misericórdia é o maior empregador do concelho

Com 530 trabalhadores, a que se juntam mais 130 médicos em regime de prestação de serviços, a Santa Casa da Misericórdia de Vila Verde transformou-se, nas duas últimas décadas, na principal empregadora do concelho.

“Em 1998, quando fui eleito provedor pela primeira vez, tínhamos 67 funcionários”, recorda Bento Morais, que desde aquele ano não mais largou a batuta da instituição que, entretanto, foi construindo um verdadeiro “campus” social e assistencial, com valências que dão resposta a crianças, idosos, deficientes, doentes e famílias carenciadas.

Destaque ainda para o hospital, que nos últimos anos foi objeto de um investimento de 10 milhões de euros, entre equipamento e obras de remodelação e ampliação.

“Hoje, o nosso hospital é de topo, com instalações e equipamentos do melhor que há a nível regional e nacional”, refere, com orgulho, Bento Morais.

A “cereja em cima do bolo” no hospital foi a instalação, em finais de 2015, de uma maternidade, valência de que o concelho não dispunha há mais de 30 anos.

“A maternidade é uma enorme mais-valia para o concelho, porque, assim, as mulheres de Vila Verde já podem dar à luz ‘em casa’, já não precisam de ‘emigrar’ para terem os seus filhos”, diz Alexandra Silva.

Mãe de um filho de 11 anos, esta habitante de Vila Verde teve de recorrer à maternidade do antigo hospital de S. Marcos, em Braga.

“Obviamente, se tivesse a maternidade no meu concelho, seria no meu concelho que daria à luz. Nestas horas, gostamos de nos sentir em casa e de sentir que temos os nossos entes mais queridos por perto”, acrescenta.

Com as obras realizadas nos últimos anos, o hospital da Misericórdia de Vila Verde duplicou em área e em capacidade de resposta, assegurando atualmente uma média de 20 cirurgias por dia. Em regime de prestação de serviços, 130 médicos garantem consultas em mais de 30 especialidades.

Três unidades de cuidados continuados são outras das respostas da Santa Casa na área da saúde.

Na área social, a Misericórdia acolhe 300 crianças em creche e jardim-de-infância, 220 idosos em lar e centro de dia e 30 pessoas com deficiência em centro de atividades ocupacionais.

Dispõe ainda de uma cantina social, que serve quase 100 refeições diariamente.

“Tem de ser, não podemos parar, temos de dar respostas a quem delas precisa”, afirma Bento Morais, que, aos 72 anos, continua com projetos para a “sua” Misericórdia.

Já em andamento está a construção de uma escola do 1.º ciclo, um investimento de meio milhão de euros que deverá abrir no próximo ano letivo e que terá capacidade para 200 alunos.

Para o presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela, a Misericórdia assume um “papel fundamental” no concelho, em termos de apoio social, de assistência na saúde e de empregabilidade.

“É uma instituição que tem conhecido um crescimento excecional, oferecendo serviços de elevada qualidade, desde logo na saúde, com um hospital que hoje é de referência”, sublinha o autarca.

António Vilela destaca, ainda, as respostas sociais “a todos os escalões etários e aos que mais precisam” e o “incontornável” contributo da Santa Casa para combater o flagelo do desemprego no concelho.

“Não fazemos mais do que a nossa obrigação, é para isso que cá estamos”, responde Bento Morais, o “eterno provedor” de Vila Verde.

Voltar atrás